Safari pelo Kruger Park na África do Sul | Game drive e self drive

Safari pelo Kruger Park

O safari pelo Kruger Park era o momento mais esperado da viagem, ele foi o grande motivo de irmos para a África do Sul.
O termo “parque” subestima um pouco o Kruger, afinal ele tem o tamanho do estado do Sergipe! São quase 20 mil km2, mais de 800 espécies de animais e uma variedade enorme de vegetação.

Não deixe de ler: Roteiro de 20 dias na África do Sul

Nossa experiência

Chegamos na África pelo aeroporto de Joanesburgo. Pegamos um carro logo no desembarque, tínhamos reservado na internet pelo site Rent Cars, e de lá já fomos direto ao lodge que reservamos próximo ao Kruger.

Foram cerca de 5 horas de viagem – na mão inglesa – até chegar lá. As estradas eram ótimas e achamos vários postos e lugares para comer no caminho.

Acomodação

Chegamos dia 5 de dezembro nos arredores do Kruger.
Há algumas instalações bem luxuosas dentro do parque, mas elas estavam bem longe de se encaixar no nosso orçamento, então optamos por uma acomodação fora, que era MUITO mais barata e ainda não precisava pagar uma taxa diária de conservação que é paga quando você se acomoda no interior do parque.
A área que escolhemos se chama Marloth Park, ficava cerca de 20 minutos do portão Crocodile Bridge River, um dos 12 para ingressar no Kruger.

Escolhemos essa região porque lemos que era uma das melhores para ver uma grande variedade de animais durante o safari pelo Kruger Park, e essa informação estava mais do que certa. A fauna da região é riquíssima!

Passamos os 4 dias no Imbumbe Safari Lodge, um lodge bem confortável, com comida maravilhosa, equipe muito atenciosa e prestativa. O Lodge tinha área para fazer fogueira à noite, uma sacada com mirante para a savana e uma piscina incrível. Falando assim parece que era um super lodge de luxo, mas não, era um lodge simples, mas bem arrumadinho e com ótimo serviço, que atendeu todas as nossa expectativas.

https://www.instagram.com/p/BcflDnWFAjg/?taken-by=melcampo

Pagamos cerca de R$180 reais a diária de um quarto duplo pelo Booking, que incluía café da manhã inglês e todas as dicas do Sabelo (essa parte foi um bônus, hahaha), hostess do hotel.

Se quiser fazer uma reserva pelo Booking, use este link e ajude o blog a crescer.

Alimentação no lodge

Como comentei, nossa hospedagem incluía café da manhã. Na hora de fazer a reserva pelo Booking, dava para incluir ou não, mas como já tínhamos lido que não havia muitos restaurantes e mercadinhos na região, optamos por inlcuir e foi uma sábia decisão.

O café da manhã inglês, que era a única opção servida (eles carregam muito a cultura britânica), é bem diferente do café da manhã do Brasil. Não existe buffett para você ir se servindo, eles preparam as porções individuais que são levadas à mesa, e em geral incluía cogumelos salteados, ovos mexidos, torradas com manteiga, tomate assado, feijão cozido doce (essa parte era a mais estranha), sucos, frutas e iogurte. Eu fiquei apaixonada pelos cogumelos de lá (e da África como um todo), e só queria comer cogumelos onde eu ia hahaha.

https://www.instagram.com/p/BckUjVZlaWu/?taken-by=melcampo

Além do café, havia a opção de jantar no hotel. O jantar custava 150 rands africanos por pessoa e incluía entrada, prato principal e sobremesa. Resolvemos jantar no nosso primeiro dia lá, afinal não conhecíamos nada ainda. O jantar foi incrível e o melhor que tivemos em toda a região do Marloth Park, era tudo muito caprichado e farto.



Roteiro

Nosso plano era ficar 5 dias fazendo Safari pelo Kruger Park, mas o hostess do hotel disse que precisaríamos visitar Graskop, cidade cheia de natureza e com um dos maiores cânions do mundo. Acatamos a sugestão, diminuímos uma diária no Kruger e ficamos com 4 dias para aproveitar o maior safari do mundo.

4 dias foi tempo suficiente para fazermos tudo o que queríamos, talvez 3 dias também tivesse sido, assim como 5, ou 6, e já explico o porquê. Acho que 2 dias são o mínimo para visitar o Kruger e ter uma experiência de self-drive  – quando você mesmo dirige o carro dentro do parque – e uma experiência de game drive, quando você fica em um jipe com visão bem mais favorecida com um motorista local que sabe tudo sobre a fauna do Kruger e tem olhos de águia para achar todos os animais escondidos. Além destas duas experiências que são feitas durante o dia, há outras opções contratadas diretamente na recepção do Kruger como o Morning Drive, Morning Walk, Sunset Drive e Night Drive, que você pode encaixar no mesmo dia de um Game Drive ou Sef Drive, afinal os horários são diferentes.

Pode parecer cansativo fazer 4 dias seguidos de safari pelo Kruger park, mas não! O Kruger se revela a cada dia de uma forma diferente. Então dá para ir visitá-lo 30 dias, que você não vai enjoar. A cada rua que você entra e cruza com um leão, é um suspiro, ou então quando uma girafa resolve acompanhar seu carro, ou quando uma hiena fica curiosa sobre você. Como a vida no Kruger é livre (como deveria ser com todos os animais), cada dia é uma nova surpresa.

Nosso roteiro ficou assim:

Dia 1 – Game drive

Acordamos 4h para o jipe nos pegar em casa. Junto com nós dois, tinham só mais 2 passageiras. Tivemos sorte, porque o jipe comporta até 12 passageiros.

O game drive tinha 12 horas de duração, e incluía café da manhã e um intervalo para almoço (este pago por nós).

Antes do café da manhã já conseguimos ver uma variedade imensa de animais. O motorista e guia do nosso jipe era muito atento e se comunicava com outros guias para conseguirmos ver o maior número de animais possível.

Safari pelo kruger park.jpg

As horas passaram voando e nem percebemos!

Dia 2 – Self drive

Acordamos super cedo e partimos com nosso carrinho (quase de brinquedo, de tão pequeno) e nosso mapa para nosso primeiro self drive.

A experiência é completamente diferente do game drive. Há prós e contras!

O contra é não estar num carro tão alto, aberto e com uma pessoa especialista guiando, o que faz você avistar animais com a maior facilidade.

Já como pró é fazer tudo no seu tempo, se sentir um explorador e conseguir encontrar animais em ruas desertas e ficar ali admirando o quanto tempo quiser.

Entrávamos nas estradas de terra sozinhos, ansiosos por ver animais, e cada vez que encontrávamos um, ficávamos muito empolgados! Trocávamos várias dicas com outros motoristas quando víamos alguém parado também. Nessas dicas encontramos vários animais escondidos durante nosso self safari pelo Kruger park!

Para alugar um carro na África, use este link da Rent Cars, que ajuda o blog :)

Dia 3 – Self drive + Sunset drive + Night Drive

A parte do self-drive foi bem parecida com o dia anterior, mas com novas experiências, é claro! Cada dia é uma experiência diferente dentro do Kruger.

A novidade neste dia era o Sunset drive, que virou Night Drive, porque o caminhão jipe que nos levava atolou na selva! Hahahaha. Ficamos mais de 1h atolados, sem comunicação, na escuridão, tentando desatolar o caminhão. Foi uma aventura e tanto!

Com isso, acabamos fazendo 2 passeios em 1. Saímos no pôr-do-sol e voltamos à noite, e ainda ganhamos a experiência maluca de pisar no Kruger fora do caminhão, o que é proibido, afinal, não se pode prever um leão saindo da mata para te devorar, haha.

Dia 4 – Self drive

O último dia nem teria safari, pois era nosso dia de ia à Graskop, porém vimos que seria possível viajar até lá por dentro do Kruger, descobrindo novas áreas e foi o que fizemos, afinal ainda tínhamos esperanças em ver o leopardo.

Em termos de ver novos animais e encontrar o leopardo, não valeu. Mas conseguimos nos despedir do Kruger e tenho certeza que foi mais bonito viajar por dentro do parque, do que por fora!



Big 5

Serve Big 4? Opa se serve.
Vimos muitos leões, elefantes e búfalos todos os dias.
Os rinocerontes só não apareceram um dia para nós.
Já os leopardos, perdemos a chance de ver um selva por poucos minutos.

Além dos famosos Big 4, vimos guepardos, que são tão raros de se ver como os leopardos.

O cão selvagem, outro animal difícil de se achar, também não apareceu para nós.

Além destes animais, vimos muitos hipopótamos, hienas, zebras, girafas, guinús, impalas, corujas, javalis e crocodilos. Vimos também um porco-espinho, uma cobra devorando um impala, um cachorrinho muito fofo que parecia uma raposinha, e vários pássaros.

É algo inexplicável se deparar com um animal do meio da pista, ou ficar observador pelo binóculo ele em seu habitat natural.

SURREAL <3

 

Preços e passeios do Safari pelo Kruger Park

Game drive

Reservamos o game drive diretamente pelo lodge.

Pagamos 1.000 Rands africanos por pessoa, sem conseguir negociar, mas depois do passeio, achei o preço mais do que justo!

Nosso game drive incluía 12h de safari pelo Kruger park em um jipe com guia, café da manhã, taxa de conservação do parque, e eles nos pegavam e nos deixavam na porta do hotel.

Self Drive

A entrada se refere a uma taxa de conservação do parque, e custa 331 Rands africanos por pessoa. Não é preciso fazer reserva, nem há limites de pessoas por dia. É só atravessar um dos portões do Kruger, se dirigir à recepção e pagar as taxas para ingressar no parque.

Safari pelo kruger park (4)

Não se esqueçam que só é possível fazer este passeio com carro alugado.

Night drive ou Sunset drive

Como comentei, acabamos fazendo os dois passeios pelo preço de um por conta do acidente, hehe.

Safari pelo kruger park (1)

Os valores dos passeios separadamente são:

Sunset drive: 328 Rands africanos por pessoa

Night drive:  243 Rands africanos por pessoa

 

Alimentação dentro e fora do Kruger

Dentro do Kruger

As refeições são sempre durante o dia, afinal às 17h (dependendo da estação do ano), o Kruger fecha – a não ser que você vá fazer algum passeio noturno pago à parte-.

Há diversos pontos de apoio lá dentro que fazem parte de lodges e rest camps. Mesmo que você não esteja hospedado lá, é possível entrar para usar as instalações como banheiros, lojas, postos de gasolina, cafés e restaurantes.

O ponto de apoio mais próximo de nós (Crocodile Bridge) era o Lower Sabie Rest Camp. Dentro dele tinha um café e um restaurante da rede Mugg & Bean. Comemos lá 3 dias, as refeições era muito gostosas e os preços eram ótimos, cerca de 90 Rands africanos por pessoa, com suco.

No quarto dia, como pegamos outra área do Kruger, aproveitamos para almoçar em outro ponto de apoio, o Skukuza Rest Camp, bem maior e mais cheio do que o Lower Sabie. Para comer havia duas opções, ambas da rede Cattle Baron, um restaurante mais chique, ou então um balcão para comidas rápidas, que foi o que escolhemos. Gastamos cerca de 70 Rands africanos por pessoa para comer um lanche, batata frita e bebida.

Fora do Kruger

Todo dia eu e o Pedro chegávamos mortos no hotel, com preguiça de sair para comer, mas o estômago sempre falava mais alto – com exceção de um dia que chegamos tão acabados, que dormimos assim que chegamos (no final da tarde) e fomos acordar só no dia seguinte-.

Um dos dias jantamos no hotel, como falei aí acima, e nos dois outros dias jantamos no Watergat, um pub/restaurante que ficava no Marlothi Shopping Centre, uma galeria de rua com algumas lojinhas, mercearia e este bar. Esta galeria era bem perto do nosso lodge, cerca de 10 min de carro, e foi um dos únicos lugares bacaninhas que achamos para comer por lá. Comemos pizza nas duas vezes, a pizza grande com Coca-Cola saiu cerca de 80 Rands africanos.

Vlog

Tentei detalhar tudo ao máximo para vocês, mas nada melhor do que ver essas dicas em vídeo 😉

Espero que tenham gostado no meu Safari pelo Kruger Park!

Se tiverem qualquer dúvida, podem me escrever.

Beijos,

Mel Campo.

Não passe perrengue na sua viagem!

Reserve seu hotel ou casa pelo Booking.com

Alugue um carro com a Rent Cars

One comment Add yours

Comente aqui =)